Sucesso

Sucesso é um estado de espírito. A origem da palavra explica por quê: successus é o particípio passado do verbo latino succedere, ‘acontecer’. Ou seja, sucesso é apenas um fato acontecido. Qualquer um, mesmo o mais banal. A maneira como situamos esses fatos dentro do contexto de nossas vidas é que nos dá a percepção, puramente pessoal, de ‘algo extraordinário’. É por isso que cada um enxerga o sucesso de seu jeito…

O pessimista: sucesso é algo que jamais me acontecerá.

O otimista: sucesso é algo que ainda não me aconteceu.

O tremendamente otimista: mas já comprei o livro ‘O Sucesso em Apenas Três Lições’.

O executivo: sucesso é não ter que esperar na linha.

O apressado: sucesso é isso que a vida está me devendo.

O conformado: se sucesso fosse caspa, pobre nascia careca.

O mentiroso: sucesso é exatamente o que eu sempre fui.

O invejoso: o sucesso só vem para quem não merece.

O submisso: sucesso é qualquer coisa que meu chefe faz.

O chefe: sucesso é convencer meus subordinados de que eu sou um sucesso.

A mãe: sucesso é o que meu filho um dia vai ser.

A sogra: sucesso é o que meu genro nunca vai ter.

O ambicioso: sucesso é o próximo passo.

O esnobe: o insuportável no sucesso é ter que ficar explicando.

O enigmático: sucesso é o que os outros pensam que eu não tenho.

O preguiçoso: sucesso até que é bom, mas dá muito trabalho.

O persistente: sucesso é uma questão de tempo.

O corrupto: sucesso dá para conseguir, mas não vai sair barato.

O político: sucesso é o que se promete e realidade o que se comete.

O acomodado: sucesso não traz felicidade.

O jovem: sucesso é o que eu vou ser antes dos trinta.

O adulto: sucesso é o que eu vou ser antes dos cinquenta.

O velho: quando eu era jovem, o sucesso parecia mais fácil.

O hipócrita: sucesso nem é preciso ser, basta aparentar.

O hipocondríaco: eu só vou ter sucesso no dia em que isso for doença.

O megalomaníaco: sucesso é ser eu.

O místico: nós não escolhemos o sucesso, o sucesso é que nos escolhe.

O realista: o sucesso depende do ponto de vista de quem observa.

O pragmático: é melhor ser o fracasso que come do que o sucesso que passa fome.

O fatalista: sucesso nem adianta ter, porque um dia vai acabar.

O aproveitador: sucesso é ser amigo de quem tem sucesso.

O erudito: sucesso é um trissílabo paroxítono.

O chato: falando em sucesso, eu, por exemplo…

O cético: sucesso é coisa para filósofo.

O filósofo: sucesso é o que já temos, mas não sabemos dar valor.

O distraído: hã?